Buscar

Conheça a história da Enfermeira Carolina na luta contra a COVID-19

Carolina Relvas Britton, uma enfermeira portuguesa de 38 anos, está na linha da frente de um bloco operatório num missão de combate à pandemia no Hospital Universitário de Cambridge, no Reino Unido. Natural de Leiria, emigrou para Inglaterra há 10 anos. Este é o relato na primeira pessoas dos dilemas de uma equipa num dia de guerra contra o coronavírus - quando falta material, falta pessoal e a realidade muda de um dia para o outro


"Anjos da terra" - Mr. Dheo

Ao longo do dia encontro pessoas em estados completamente diferentes perante a doença. Alguns ansiosos, obviamente, por mais informações. Outros ofegantes por uma pausa do constante afluxo de atualizações e alertas. Muitos temerosos, outros assustados mas em silêncio. Alguns membros da equipa não são capazes de lidar com o sentimento de ameaça das suas comunidades e ainda menos perante os casos mais graves que devem ser encaminhados para os hospitais.


Também encontrei funcionários a levar estoicamente as coisas para a frente, tranquilizando calmamente outros e mantendo uma incrível capacidade de compreensão perante o que é necessário fazer e porquê, agora ou talvez mais tarde.


Falo com pessoas em todos os estádios de confronto com a pandemia. Frequentemente balançam entre a negação, o choque, o medo, a apatia ou a serenidade. São proativos e reativos, mas nunca é claro porque é que alguns problemas são antecipados com detalhes meticulosos, enquanto outros parecem surpreendentemente esquecidos. Interajo com as pessoas em todas as etapas do tratamento da pandemia e frequentemente quando elas se juntam em grupos.


Até agora pude participar em todos os briefings no meu departamento antes de um paciente suspeito de estar infectado com covid-19 ser levado para um procedimento urgente. Hoje não foi diferente. Assim que nos reunimos, um membro da equipa disse estar muito chateado porque a informação dada ontem era completamente diferente da de hoje. Sendo um membro sénior da equipa que se que estava a dirigir a mim, também sénior, o ambiente ficou mais pesado do que eu gostaria.


Mas deixem-me recuar 24 horas. Na quarta feira, 18 de março, visitei uma parte específica do nosso palco de atuação para prepará-lo para os pacientes com covid-19. Foi bonito de ver. Tínhamos plantas das áreas, códigos de cores, orientação do PHE, informações de cirurgiões e anestesistas e experiência de já ter "transformado" outras áreas que, desde então, receberam pacientes infectados com covid-19 . O plano de fluxo foi determinado, o EPI disponibilizado, guias rápidos exibidos em áreas-chave e a equipe praticou o vestuário do EPI, tendo todas as suas perguntas respondidas. As sugestões e conhecimentos dos profissionais no terreno eram essenciais para todo o plano.


Vinte e quatro horas depois fui chamada porque estavam prestes a receber um doente suspeito de ser positivo para a Covid-19 que precisava de uma intervenção cirúrgica urgente. Eu pretendia apresentar-me (porque ainda não conhecia a maioria das pessoas) e responder a quaisquer perguntas restantes ou ajudar a resolver novos problemas, direcionando o nível de prontidão da equipa para um confiante 'sabemos o que fazer'. Porém, pelo menos uma das pessoas da equipa estava numa página completamente diferente. E ficou muito chateada porque o que tinham ouvido no dia anterior era completamente diferente das instruções do dia de hoje.


“Meu Deus”, exclamei antes que o silêncio na sala se prolongasse. E disse-lhes: “Isso significa que estamos a manter-nos atualizados perante a coisa que mais rapidamente evolui e que temos de enfrentar, evoluindo com a mesma rapidez e temos de nos habituar a este novo ritmo”. Pareceu funcionar. Negatividade e dúvida não se voltaram a infiltrar nas apresentações seguintes. O anestesista consultor liderou brilhantemente a partir de então, enquanto mediámos os riscos e os planos de contingência em relação às principais limitações impostas pela urgência do caso e pelo pessoal disponível.


Não importa o quão acostumados estejamos perante os casos urgentes, emergentes e que salvam vidas. A pandemia da covid-19 exige um ritmo totalmente novo e diferente de todos nós. Não se trata de ser mais rápido ou de melhorar os tempos de utilização do bloco, mas de lidar com situações dinâmicas em constante mudança. Uma coisa pode ser verdade hoje e amanhã estar completamente desatualizada. Um equipamento não está disponível hoje e pode ser entregue amanhã aos milhares. Um ventilador pode ser substituído por outro mais seguro. Um corredor que se percorreu milhares de vezes dia após dia pode repentinamente ser bloqueado por segurança. A cadeia de abastecimentos pode ser redesenhada. Os nomes em maiúsculas podem ajudar a fortalecer uma hierarquia operacional, em vez de achatá-la. E amanhã tudo pode mudar.


Expresso 20 de março 2020 23:06


47 visualizações0 comentário